728x90 AdSpace


  • : : : Útimas : : :

    sábado, 29 de setembro de 2012

    A velha dos contos. II Parte


    Antes de produzir a matéria sobre o lançamento do livro do professor Jerryvaldo Sousa Martins, decidi visita-lo em sua residência para assimilar um pouco mais do que seria A Velha Dos Contos, livro que envolve as historias e causos Nordestinos.
     Inicia-se a leitura sobre a narrativa do autor envolvendo o personagem coadjuvante “João” e no decorrer da leitura vem o minuciar de todas as suas características pessoais e físicas. Após algumas dezenas de laudas vem o aparecer da personagem protagonista, A Velha Dos Contos, e logo a narrativa do autor é sucumbida pela as narrativas da velha e nessas alturas o leitor quer devorar todo o livro e por mais que alguém tente detalhá-lo ainda sim não conseguirá, pois a riquíssima nuance literal deste livro impossibilita que um critico ou outro venha detalhá-lo, o amigo David Moraes professor em literatura fez sua abordagem durante o evento acerca dessa obra literária acentuado suas qualidades como também as do autor.


    Conversando com o amigo Jerry Martins, despindo-nos de qualquer formalidade abordamos vários assuntos desde oque o levou a “prosa” e até mesmo o contexto sociocultural local que o fez optar por algo a mais que uma solenidade formal e sim um show cultural envolvendo poetas, cantores e a comunidade artística regional, Jerryvaldo também relata que preocupado em receber seu publico e convidados um a um sem deixar passar um abraço ou uma prosa, deixou os artistas bem à-vontade em suas apresentações e esperou que os mesmos deixassem o show fluir naturalmente que deveria acontecer da seguinte forma, onde após o termino da apresentação do primeiro artista este por sua vez chamaria outro artista de forma aleatória.
    Mas oque aconteceu foi uma releitura de todas as apresentações que acontecem nessa região e a panela de desejos árduos pela fama fecha o circulo e mais uma vez bajulam-se entre os mesmos, alguns cometem a gafe de esquecer de ressaltar as qualidades do anfitrião do evento e sua obra e dentre esses quadros eis que de forma abrupta e incisiva o Prof.º Ronilsom, do município de Monção aborda o evento fazendo uso da palavra e com certo tom sarcástico exclama o seguinte: Permitam-me o uso da palavra, mas perto das “estrelas” alguns desafinam, permitam-me que eu desafine pois existe uma oligarquia de ditos poetas que não permitem que ninguém mais se apresente...
    Para quem não conhece Ronilsom esse artista regional que muito me impressiona, é uma pessoa amiga, simples e que não se acovarda, assim como Jerry Martins ele é um eterno amante da “prosa”, e oque mais me chama atenção é que apesar de sua “gagueira” no momento em que esta apresentando-se artisticamente tem sua voz clara e acentuada.


    “Ronilsom teve a coragem que poucos têm e para mim a forma de sua abordagem  imperdemida por uma elegância sarcástica fez-me relembrar um certo evento ocorrido em 14 de março de 2010 em que um certo professor convidava nos canais de TV a comunidade para prestigiar um saral poético em que o mesmo afirmava ser voltado para classe artística regional e fomento cultural da nossa terra, onde na verdade nada mais era que um golpe publicitário politico para alavancar o nome do mesmo, onde esse convenientemente apresentava-se ao lado daqueles que possuem trabalho impresso ou alguma popularidade no meio artistico, onde nesse evento seu idealizador apenas nos embromou quanto a ordem das apresentações censurando-nos educadamente e na eventualidade usando de uma elegância sarcástica e rude agradeci a oportunidade que nos foi dada., nessa noite nem eu Robert Paixão, Arlene Veloso, David Moraes e Ronilsom De Monção tivemos o merecido respeito”.
    Para mim os verdadeiros poetas são esses que apresentam trabalho próprio e não apenas recitam a poesia de grandes poetas como Augusto dos anjos e Vinícius de Moraes, na verdade não merecem nem o nome de ator, são meros leitores que se escondem atrás de alguma formação e alto intitulam-se poetas, pois é muito cômodo assim ser chamado em uma região em que não á o fomento dos reais produtores culturais, adquirindo assim vincos sociopolíticos que rotulam suas imagens e os municia politicamente, 
    Outra pessoa que muito me surpreendeu foi o amigo Valmir Colares, pois apenas o conhecia no âmbito politico e ainda não tinha tido a oportunidade de conhecer seu trabalho poético, hoje o procurei para conhecer um pouco mais do seu lado artístico e comprovei minhas suspeitas.

    Além de um super talento, Valmir Colares é um baluarte da cultura santanesense foi oque pude observar em seu vasto currículo de vida e seus vários textos premiados incluindo os textos “Cuna” e “No jardim secreto dos meus beijos” que foram recitados no evento, não pude deixar de perguntar ao Valmir se o mesmo concordava com as afirmações de Ronilsom como também minhas colocações quanto aqueles que tentam tirar proveito do vinco artístico e ao paço da pergunta como era de se esperar da sapiência de Valmir colares obtive sua concordância.

    No evento além dos poetas estiveram presente também dois cantores locais, Costa Lima e Jesse Du Vale, Como também estiveram presente os amantes da boa arte como a poesia a literatura e a boa MPB e MPM, a  quem interessar adquirir o livro a velha dos contos poderá adquiri-lo nos seguintes locais: Revistaria fênix; Papelaria el Shadai e na livraria Gaspar livros


    .








    • Comentários Blogger
    • Comentários Facebook

    0 comentários:

    Postar um comentário

    Item Reviewed: A velha dos contos. II Parte Rating: 5 Reviewed By: Robert Paixão
    Scroll to Top